Para a direção da Petrobrás o lucro dos acionistas está acima da vida de seus trabalhadores

Empresa anuncia planejamento para o fim do isolamento social, não se importando com avanço da pandemia. Ao final desta reportagem ainda na noite desta terça (9), a FNP enviou um ofício contrapondo os planos da direção da Petrobrás. Em matéria posterior daremos detalhes sobre o documento enviado que apresenta argumentos que contestam de forma clara e de forma embasada mais esse absurdo da gestão de Roberto Castello Branco, sob o comando de Bolsonaro e Paulo Guedes

Nesta segunda-feira (8), em uma apresentação virtual aos sindicatos, que terminou por volta das 19h, a direção da Petrobrás informou sobre o planejamento de retomada do trabalho, conforme divulgado mais cedo em reuniões gerenciais.

A representação da Petrobrás não informou a data de suspensão do isolamento social e afirmou que toma esta decisão a partir das orientações dos governos municipais e estaduais, sendo o processo gradativo, em quatro fases, com a última representando um “novo normal” na companhia.

Segundo a apresentação da direção da Petrobrás, algumas práticas adotadas na pandemia vão ser mantidas, como o regime de teletrabalho para os funcionários da área administrativa, que, segundo orientação dos gerentes, poderão ficar até três dias por semana em casa. Esse seria um dos casos do “novo normal” da pós-pandemia.

As cores da morte

O plano prevê dividir o risco de contaminação pelo coronavírus com o fim da quarentena em três bandeiras: verde, amarela e vermelha. Na primeira, é autorizado o retorno; na segunda, são adotadas medidas preventivas; e na terceira, o isolamento é mantido. Para definir as bandeiras, a direção da empresa vai acompanhar as taxas de crescimento dos casos de contaminação nos municípios onde opera e de ocupação de leitos de UTI.

Assim, a direção da Petrobrás mostra que apesar do avanço da COVID-19, que apresenta números superando o quantitativo de mais de 37 mil mortes, com o registro de 700 mil casos confirmados no Brasil, minimiza o valor da vida das pessoas, como faz o governo Bolsonaro, escamoteando dados, enquanto a gestão de Castello Branco usa para fins meramente propagandísticos, conceitos de transparência e governança. Tudo encenado para ficar bem no vídeo do Jornal Nacional e deixar seus acionistas da bolsa de valores sem sentimento de culpa.

Sindicato na luta para acabar com a “roleta russa” de Castello Branco

Com o Brasil chegando perto do topo mundial da contaminação e mortes por coronavírus, é um absurdo que os gestores da Petrobrás estejam planejando a normalização das atividades, quando ainda não realiza a testagem em todas as unidades com trabalho presencial.
Castello Branco e a diretoria da empresa se mantêm isolados e protegidos e brincam de roleta russa com a saúde dos trabalhadores. O Sindipetro-RJ não vai permitir que a empresa continue arriscando a vida dos petroleiros e já providencia medidas judiciais e institucionais cabíveis para denunciar a empresa, já que esta continua com sua postura de impedir qualquer forma de diálogo, como é evidenciado pelo ofício 122 que foi enviado para a Petrobrás e até o momento não obteve resposta.
Viemos para trabalhar e não para morrer! Fora Castello Branco!

Comente com o facebook
Compartilhe: