Direção da Petrobrás sai da inércia e divulga medidas preventivas sobre o COVID-19

A Petrobrás divulgou nesta sexta (13) material para sua força de trabalho em que informa que criou um comitê permanente dedicado para o acompanhamento da evolução do COVID-19 (coronavírus) no Brasil e no exterior.
Segundo o informe, o comitê é formado por médicos, profissionais de RH, SMS, Comunicação e Serviço Social, e vai definir as medidas a serem adotadas na empresa, atualizando a direção da companhia sobre cenário local e mundial.
Há de se esperar que este comitê tenha mais agilidade do que a direção da empresa que demorou em anunciar providências diante da identificação do COVID-19 em janeiro, último, na China, e da sua evolução e classificação inicialmente como epidemia, e agora pandemia, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no dia 12 de março.

Medidas principais

Estão suspensas as viagens para o exterior, incluindo todos os treinamentos programados, e as excepcionalidades precisam ser aprovadas por um diretor, após avaliação da área de saúde; também as viagens em território nacional. A empresa diz que serão mantidas apenas as prioritárias – que não possam ser atendidas por vídeo ou telefones – aprovadas pela Gerência Geral.
Estão suspensos, por tempo indeterminado, eventos e reuniões presenciais e simulados de emergência com mais de 20 pessoas. Auditorias, visitas técnicas e visitas gerenciais a unidades e instalações da companhia também foram suspensas.
Os empregados que estiverem voltando de viagens do exterior em férias ou a trabalho, deverão atuar em homeoffice, para observação, por no mínimo 7 dias. Pessoas retornando de áreas de alto risco devem ficar em homeoffice e observação por 14 dias.
A companhia indica que os empregados com suspeita de COVID-19 devem permanecer em casa, manter contato com seu médico e contatar seu gerente para instrução sobre o trabalho remoto.
Em todos os aeroportos utilizados para nossas unidades offshore, está sendo feita a aferição de temperatura dos colaboradores antes do embarque, e, a partir desta sexta (13), será aplicado um questionário. É recomendado que os empregados com suspeita de COVID-19 devem permanecer em casa, manter contato com seu médico e contactar seu gerente para instrução sobre homeoffice.

Sindicato monitora a situação

A medida anunciada pela direção da empresa surge quando o Sindicato já acumulava informes sobre situações apresentadas para encaminhar as devidas cobranças sobre medidas e orientações aos empregados.
Antes deste informe da Petrobrás, no EDISE, o Sindicato acolheu a preocupação de uma empregada sobre o tema. Junto com ela, o diretor Antony Devalle esteve na mais recente reunião da CIPA do prédio quando foi debatido o assunto e ficou resolvido solicitar à empresa o estudo e a implementação de medidas para a prevenção à propagação do vírus entre os petroleiros e até, indiretamente, na população em geral.

Na Transpetro

O Sindipetro-RJ recebeu denúncias de que uma contratada da Transpetro foi trabalhar normalmente durante três dias, após retornar de viagem à Itália onde uma parente está de quarentena e que após quadro de saúde duvidoso não compareceu ao trabalho na quinta (12). Outros trabalhadores, que estiveram em viagem ao exterior, também estariam indo trabalhar sem passar por qualquer tipo de prevenção.
Medidas simples, mas importantes estão sendo indicadas neste comunicado da empresa como: “lavar as mãos da maneira correta e com frequência, evitar tocar no nariz, olhos e boca e tomar os devidos cuidados para evitar contágio em ambientes públicos”. A companhia diz que está reforçando as orientações aos empregados sobre essas medidas, seguindo orientações da OMS e do Ministério da Saúde.

Comente com o facebook
Compartilhe: